notícias colégio
Notícias
27 de junho de 2013

UNIFEBE paralisa atividades em 1º de julho

         

O Centro Universitário de Brusque – UNIFEBE, diante da manifestação nacional que ocorrerá em 1º de julho, informa que a instituição não terá expediente de trabalho com os funcionários e aula para os acadêmicos neste dia.

A instituição espera que as mobilizações ocorram de forma pacífica em todo o país.

 

Publicado por: Assessoria de Comunicação

 

Acadêmicos, funcionários e professores participam de manifesto por um Brasil melhor

Ao percorrer a Avenida Cônsul Carlos Renaux, por volta das 10h, a agitação era comum para uma manhã de sábado. Um pouco mais perto do local marcado para o início do protesto, em frente ao banco HSBC, uma jovem com a pergunta "o que você tem a ver com a corrupção?" estampada no peito de uma camiseta preta denunciava: aquele 22 de junho de 2013, não passaria em branco.


Depois de atravessada a Ponte Estaiada uma comerciante gritou para a colega no outro lado da rua "será que vem mesmo cinco mil pessoas?". O "não sei" que ecoou como resposta, em alguns minutos deixou de existir. Os manifestantes começaram a chegar de todos os lados, e, aos poucos, eram muitos. Seis mil, estimou a Polícia Militar. O “gigante” havia acordado também em Brusque.


Membros do Diretório Central dos Estudantes – DCE do Centro Universitário de Brusque – UNIFEBE chegaram cedo. Ajudaram a organizar o protesto com cartazes, megafones, tinta verde e amarela para pintar o rosto. Quando os policiais fecharam a rua, a multidão preencheu o espaço dos carros e iniciou o caminho que levou até à Praça Sesquicentenária, em frente à prefeitura e à câmara de vereadores. O grito por uma reforma política no país ganhava ainda mais força, pois assim como os moradores de centenas de cidades Brasil afora, o povo de Brusque e de cidades vizinhas, como Nova Trento e Guabiruba, resolveu demonstrar suas insatisfações e foi para a rua também.


Primeiro, cantaram o orgulho de ser brasileiros. Depois, fizeram silêncio e entoaram o hino nacional, sentados sobre a principal ponte da cidade, em memória do manifestante morto no estado de São Paulo. As palavras ditas em coro chamavam mais gente para a rua, diziam que um professor vale mais do que o Neymar, e que, se a roubalheira não tiver um fim é o Brasil quem vai parar.


Além das frases cantadas, as mensagens escritas em cartazes e faixas diziam o que cada um fazia ali. O fim da corrupção, a necessidade de investimentos em saúde e educação, os gastos excessivos com a copa do mundo, a preconceituosa cura gay e o conteúdo das PECs 33 e 37 foram exaustivamente lembrados. Mas também teve quem manifestasse sua contrariedade a assuntos mais próximos, como a instalação da casa de passagem no centro da cidade e a ineficiência do transporte público local.


Ao deixarem a Cônsul Carlos Renaux os manifestantes subiram a ladeira e muitos fizeram silêncio ao passar pelo Hospital Evangélico. Após a chegada de todos em frente aos prédios do Executivo e Legislativo repetiram palavras de protesto e cantaram o hino a uma só voz. Em seguida, tomaram o gramado em frente à prefeitura.


A manifestação, que contou com pessoas de todas as idades, durou quase três horas e foi pacífica. “Este é um momento histórico. Cada um de nós deve refletir de que forma pode melhorar sua atuação individual e coletiva. Vamos reprogramar esse país e recolocá-lo em um caminho viável economicamente, com justiça, equilíbrio e educação, que é a saída para este país”, disse o reitor Günther Lother Pertschy. Além dele, acadêmicos, professores e funcionários também participaram do protesto.


O manifesto terminou com música na Praça Sesquicentenário, antes de um pequeno grupo se posicionar em frente à Praça Barão de Schneeburg interrompendo o trânsito por mais alguns minutos.


Uma nova manifestação já foi marcada para quarta-feira, 26 de junho. O “gigante” não deve voltar a dormir tão cedo.

Texto: Thayse Helena Machado
Publicado por: Assessoria de Comunicação Social


 

Postagens relacionadas

Voluntários do Projeto Oasis visitam a Unifebe

Voluntários do Projeto Oasis visitam a Unifebe


29 de julho de 2009
Curso de Design de Moda publica informativo sobre ecologia

Curso de Design de Moda publica informativo sobre ecologia


22 de fevereiro de 2008
UNIFEBE prorroga inscrições para o concurso arquitetônico do Centro de Eventos Brusque Jeep Clube
Universidade Comunitária

UNIFEBE prorroga inscrições para o concurso arquitetônico do Centro de Eventos Brusque Jeep Clube


28 de setembro de 2020
Skip to content